Seleção de médicos brasileiros para substituir cubanos será ainda em novembro, diz ministério


O Ministério da Saúde informou na manhã desta sexta-feira (16) que a seleção de médicos brasileiros para ocuparem as vagas que serão deixadas pelos profissionais cubanos do programa Mais Médicos ocorrerá ainda em novembro. Na última quarta-feira (14), o Ministério da Saúde Pública de Cuba anunciou a decisão de deixar o programa Mais Médicos, criado durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff. Cuba enviava profissionais para atuar no Brasil desde 2013. O governo cubano atribuiu a decisão a “declarações ameaçadoras e depreciativas” de Bolsonaro. O presidente eleito afirma que Cuba não quis aceitar condições para continuar no programa.

De acordo com o Ministério da Saúde, a formulação do edital para substituição dos médicos cubanos será finalizada ainda nesta sexta, durante reunião com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas). “O Ministério da Saúde realizará reunião com a Opas (Organização Pan-Americana de Saúde) para a definição da saída dos médicos cubanos e entrada dos profissionais brasileiros que serão selecionados por edital. Será finalizada a proposta de edital para selecionar profissionais para as 8.332 vagas que serão deixadas pelos médicos cubanos”, informou a pasta. A seleção de profissionais brasileiros em primeira chamada do edital será realizada ainda no mês de novembro e o comparecimento aos municípios, imediatamente após a seleção”, completou o Ministério da Saúde.

O Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) informou ter sido avisado pela embaixada de Cuba que os médicos do país deixarão o Brasil até o fim do ano. De acordo com a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), a saída de cubanos do Mais Médicos afetará 28 milhões de pessoas. “Entre os 1.575 municípios que possuem somente médico cubano do programa, 80% possuem menos de 20 mil habitantes. Dessa forma, a saída desses médicos sem a garantia de outros profissionais pode gerar a desassistência básica de saúde a mais de 28 milhões de pessoas”, diz a entidade.

(G1)

Primo de Aécio recebeu propina em caixas de sabão, diz empresário


O empresário Waldir Rocha Pena, proprietário de um supermercado de Belo Horizonte (MG), que seria utilizado pela JBS para pagar propinas a políticos, revelou que realizou entregas de dinheiro vivo a Frederico Pacheco, primo do senador Aécio Neves (PSDB-MG), e também a Mendherson Souza, ex-assessor do senador Zezé Perrella (MDB-MG). As entregas, de acordo com o portal de notícias O Globo, foram feitas em caixas de sabão em pó.

A revelação ratifica a delação da JBS e se torna mais uma prova de pagamento de propinas aos políticos. O depoimento foi dado por Waldir à Receita Federal e enviado à Procuradoria-Geral da República (PGR), responsável pela investigação de Aécio e Perrella. As informações colhidas no depoimento de Waldir foram repassadas para a Polícia Federal de Minas Gerais e usadas na deflagração da Operação Capitu – que investiga corrupção no Ministério da Agricultura e prendeu, recentemente, o dono da JBS, Joesley Batista, e outros envolvidos no caso.

Em sua delação premiada, Ricardo Daud, ex-diretor da JBS, informou que operacionalizou repasses para Aécio Neves por intermédio de operações financeiras com um supermercado de Belo Horizonte e a entrega em dinheiro para Frederico. Saud revelou ter repassado cerca de R$ 4 milhões para o tucano nessas operações. Waldir Pena, um dos sócios da empresa Supermercado BH Comércio de Alimentos, confirmou as informações delatadas por Saud e deu novos detalhes. A investigação conseguiu obter documentos que indicam que as entregas em dinheiro vivo totalizaram R$ 6 milhões. Essas operações, segundo apurado, foram feitas em 2014, ano eleitoral.

Bolsonaro diz que programa Mais Médicos não será suspenso e promete asilo a médicos cubanos


O presidente eleito, Jair Bolsonaro, disse na última quarta-feira (14) que manterá o programa Mais Médicos e vai substituir os cerca de 8.500 profissionais cubanos por brasileiros ou estrangeiros. Ele afirmou que os cubanos que quiserem atuar no país devem revalidar os diplomas. A afirmação ocorre no momento em que Cuba informou que vai se desligar do programa por não aceitar as exigências feitas pelo novo governo.
Em conversa com a imprensa na tarde de quarta, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), sede do governo de transição, Bolsonaro disse, “estamos formando, tenho certeza, em torno de 20 mil médicos por ano, e a tendência é aumentar esse número. Nós podemos suprir esse problema com esses médicos. O programa não está suspenso, [médicos] de outros países podem vir para cá. A partir de janeiro, pretendemos, logicamente, dar uma satisfação a essas populações que serão desassistidas”.

O presidente eleito acrescentou que sempre foi contra o programa por discordar do modelo de contratação dos profissionais cubanos. Segundo ele, há um tratamento “desumano” por parte das autoridades em relação aos médicos. Como exemplo, Bolsonaro citou o fato de alguns profissionais virem para o Brasil, mas deixando as famílias em Cuba. Ele ainda acusou o governo cubano de explorar os profissionais e ainda pôs em dúvida a capacidade profissional dos médicos oriundos da ilha. “Em torno de 70% do salário desses médicos é confiscado para a ditadura cubana. E outra coisa, que é um desrespeito com quem recebe o tratamento por parte desses cubanos, não temos qualquer comprovação que eles sejam realmente médicos e estejam aptos a desempenhar sua função” (mais…)

Ex-prefeito é morto pelo pai ao ser confundido com assaltante na Paraíba


A pequena cidade de Baraúna, no interior da Paraíba, foi tomada por um episódio trágico na noite de segunda-feira (12). Segundo o portal G1, o ex-prefeito da cidade Alyson Azevedo foi morto a tiro pelo pai após ser confundido com um assaltante.

Alyson tinha 37 anos e foi até a casa due relataram ter visto fumaça saindo da casa do paitambém ex-prefeito da cidade, depois de ser chamado por vizinhos que relataram ter visto fumaça saindo da casa dele e ninguém conseguia acordá-lo. Nesse momento, o pai efetuou o disparo de dentro da casa contra o filho, achando que se tratava de um assalto. Alyson Azevedo foi baleado no peito, chegou a ser levado para o Hospital de Picuí, mas não resistiu e morreu.  Ainda segundo o G1, a fumaça se tratava de uma panela que estava no fogão. O pai deve prestar depoimento à polícia nesta terça-feira (13).

Alyson Azevedo foi eleito prefeito da cidade de Baraúna em 2008, pelo MDB, enquanto seu pai, Adilson Azevedo, foi o candidato eleito das eleições de 2000, pelo mesmo partido, na época PMDB.

PF prende Joesley Batista, Ricardo Saud e o vice-governador de MG, Antonio Andrade


A Polícia Federal realiza na manhã desta sexta-feira (09) a Operação Capitu, mais um dos desdobramentos da Operação Lava Jato. Foram presos os executivos da JBS Joesley Batista e Denilton Antonio de Castro, o empresário Ricardo Saud, o deputado João Magalhães (MDB) e o vice-governador de Minas Gerais e ex-ministro da Agricultura, Antonio Andrade (MDB). O objetivo é investigar lavagem de dinheiro e repasse ilegal de verbas no Ministério da Agricultura durante o governo Dilma Rousseff (PT). Além disso, a PF apura o envolvimento do vice-governador de MG em esquemas de corrupção.

São cumpridos 63 mandados de busca e apreensão e 19 de prisão temporária em Minas Gerais, Distrito Federal, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraíba e Mato Grosso. O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (MDB), também é alvo de mandado, porém já está preso no Paraná. A operação é baseada na delação do doleiro Lúcio Funaro, apontado como responsável pelo repasse de propinas no MDB. (mais…)

Bolsonaro desmente ‘fake news’ sobre indicação de Alberto Fraga para Ministério


Depois de especulações sobre uma possível indicação de Alberto Fraga (DEM), líder da bancada da Bala na Câmara e aliado antigo de Jair Bolsonaro (PSL), para ministro, o presidente eleito desmentiu a informação pelo Twitter. “Nossos ministérios não serão compostos por condenados por corrupção, como foram nos últimos governos”, disse.

O deputado federal foi condenado em setembro pela Justiça em um processo no qual foi acusado de cobrar propina no Distrito Federal. O anúncio oficial dos ministros indicados por Bolsonaro é esperado para a próxima segunda-feira (05) e o presidente eleito ressalta que “qualquer informação além (dos nomes que anunciará nas redes sociais) é mera especulação maldosa e sem credibilidade”.
Até o momento cinco nomes já foram confirmados por Bolsonaro. O astronauta Marcos Pontes, que será indicado para liderar o Ministério da Ciência e Tecnologia, o guru econômico dele, Paulo Guedes, no “Ministério da Economia” que Bolsonaro pretende criar, Onyx Lorenzoni (DEM) para a Casa Civil, o General Augusto Heleno para o Ministério da Defesa e o juiz federal Sérgio Moro para o Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Geddel e Lúcio Vieira Lima ficam em silêncio durante depoimento no STF


Os irmãos Geddel e Lúcio Vieira Lima, acusados de lavagem de dinheiro e associação criminosa, ficaram em silêncio nesta quarta-feira (31) numa audiência no Supremo Tribunal Federal (STF) relativa ao caso dos R$ 51 milhões encontrados num apartamento em Salvador. Quando informado pelo juiz instrutor sobre as acusações no início da audiência, Geddel se limitou a dizer que ficaria em silêncio “por absoluta e incisiva orientação da defesa técnica”, segundo apurou o G1. Deputado federal em fim de mandato, Lúcio Vieira Lima (MDB-BA) também disse que ficaria calado por orientação dos advogados.

Em meio à audiência, que é uma das últimas fases do processo, o Ministério Público fez perguntas aos irmãos Vieira Lima, mas Geddel e Lúcio se recusaram a responder todo o tempo. A audiência durou cerca de 10 minutos. Geddel saiu do STF ao final da audiência escoltado e foi levado na parte de trás de um carro da Polícia Federal para o Complexo Penitenciário da Papuda, onde ele está preso desde setembro do ano passado. (mais…)

Bolsonaro quer doar sobra de campanha para hospital em Juiz de Fora; TSE proíbe


O presidente eleito, Jair Bolsonaro, usou o Twitter nesta terça-feira (30), para anunciar que fará uma vultuosa doação para a Santa Casa de Juiz de Fora (MG). Sua campanha teve um custo total de R$ 1.721.537 e as doações de pessoas física declaradas à Justiça Eleitoral pelo PSL totalizam R$ 3,7 milhões por meio de “vaquinhas virtuais”. Sendo assim, ficou um saldo de pelo menos 2 milhões. Bolsonaro doará essa “sobra” para o hospital beneficente onde foi operado após ser vítima de um ataque a faca, no dia 6 de setembro. O político disse estar confiante que as pessoas que fizeram as doações “estarão de acordo” com sua decisão.

O prazo de prestação de contas de campanha encerra em 17 de novembro. Por isso, os valores ainda não são oficiais. Horas depois da declaração de Bolsonaro, o TSE disse que isso não é possível. O Tribunal informou em nota que “a legislação eleitoral não permite a doação, uma vez que as sobras de campanha devem retornar ao partido e o comprovante de transferência deve ser enviado junto com a prestação de contas à Justiça Eleitoral”.

A repercussão do anúncio de doação do presidente nas redes sociais foi positiva, com muitos usuários expressando admiração pelo gesto incomum em um país onde os políticos com frequência viram notícia por tirar dinheiro e não doá-lo. A campanha do PSL optou por abrir mão do Fundo Especial de Financiamento de Campanha, dinheiro do contribuinte e custou 20 vezes menos que a de Fernando Haddad (PT), que declarou ter gasto R$ 34.400.867. A mais cara do primeiro turno foi a de Henrique Meirelles (MDB) que destinou R$ 57.030.000 para as eleições. (mais…)

Jair Bolsonaro é eleito presidente do Brasil


Jair Bolsonaro (PSL) foi eleito presidente do Brasil neste domingo (28). Com 100% das urnas apuradas, ele teve 55,13% dos votos válidos contra 44,87% de Fernando Haddad (PT). A diferença chegou quase aos 11 milhões de votos.

O presidente eleito deu dois tons diferentes às suas primeiras manifestações como presidente eleito: em sua primeira fala, ao vivo nas redes sociais, ele criticou a mídia e opositores; em seu discurso posterior em rede nacional, prometeu um governo constitucional, fez referências religiosas e acenos ao mercado. A eleição nos estados confirmou as previsões, com João Doria (PSDB) eleito em São Paulo, Romeu Zema (Novo) eleito em Minas Gerais (Novo) e Wilson Witzel (PSC) eleito no Rio de Janeiro.

Bolsonaro teve apoio explícito de 15 dos 27 governadores eleitos; todos os nove governadores eleitos no Nordeste apoiaram Haddad e a região foi a única onde o petista venceu a eleição.

Vitória da Conquista: Homem é preso com 100 kg de maconha dentro ônibus


Na noite desta quinta-feira (25), em fiscalização no KM-830 da BR-116, em Vitória da Conquista, Policiais Rodoviários Federais apreenderam 100 kg de maconha. A droga estava sendo transportada em um ônibus de turismo, estando em poder do passageiro de 32 anos, que não teve o nome revelado. De acordo com a PRF, A droga veio de São Paulo e teria destino a cidade de Caruaru, em Pernambuco. O homem, que é morador da capital paulista, declarou que receberia o valor de R$ 1.500,00 mil. Ele foi preso em flagrante e apresentada na Delegacia de Polícia Civil em Vitória da Conquista.

(Bahia em Dia)