Incêndio atinge alojamento do Bangu-RJ e três jogadores ficam feridos


Após a tragédia no Ninho do Urubu, CT do Flamengo, em Vargem Grande, na madrugada da última sexta-feira (08), que deixou dez mortos e três feridos, o futebol carioca sofreu mais um susto na tarde desta segunda-feira (11). Um incêndio atingiu o alojamento do Bangu, no Campo dos Afonsos, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, após o treino da manhã. Três atletas foram encaminhados para o Hospital da Aeronáutica. As informações são do portal Globo Esporte.

Três jogadores do Bangu descansavam no alojamento do CDA (Comissão de Desportos da Aeronáutica), localizado em Campo dos Afonsos, após o treino da manhã desta segunda-feira, quando o quarto começou a pegar fogo. Segundo a assessoria de imprensa do clube, os casos não são graves e dois atletas devem ser liberados ainda nesta segunda. Um foi encaminhado para o CTI por precaução por ter inalado mais fumaça. As causas do incêndio ainda estão sendo investigadas pela Aeronáutica.

Ex-governador do Paraná, Beto Richa é novamente preso


O ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) foi novamente preso na manhã desta sexta-feira (25), pela Polícia Federal. A prisão de caráter preventivo, por tempo indeterminado, aconteceu por volta das 7hs, na casa do político.

A medida foi decretada pelo juiz Paulo Sérgio Ribeiro, da 23ª Vara Federal de Curitiba, a pedido do Ministério Público Federal (MPF), dentro da Operação Integração, uma das fases da Lava Jato. Richa é acusado de cometer crimes na concessão de rodovias no Paraná, sendo investigado por corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Ele já havia sido preso em setembro de 2018.

De acordo com a Justiça Federal, Dirceu Pupo Ferreira, contador da esposa de Beto Richa, Fernanda Richa, também foi preso preventivamente. Ele e o ex-gestor foram levados para a Superintendência da PF em Curitiba, onde está detido o ex-presidente Lula.

Temendo ameaças, Jean Wyllys desiste de mandato e viverá fora do Brasil


O deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) anunciou, em entrevista exclusiva à Folha de S. Paulo, que vai abrir mão do novo mandato legislativo. Ele foi reeleito com 24.295 votos e disse que não pretende voltar ao Brasil após as suas férias. O parlamentar explicou à publicação que sua maior motivação para desistir do novo mandato é a quantidade de ameaças que recebe. O número de mensagens hostis aumentou após o assassinato de sua correligionária Marielle Franco, em março de 2018. Desde então, Jean vive sob escolta policial.

Outra razão que o fez tomar esta decisão, segundo ele, é a divulgação de informações de que familiares de um ex-PM, suspeito de chefiar milícia investigada pela morte de Marielle, trabalharam para o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL). “Esse ambiente não é seguro para mim”, afirmou Wyllys.

Perguntado sobre a reação do PSOL à sua decisão de abrir mão do mandato, o parlamentar disse que o partido “lamentou, claro, mas apoia minha decisão”. “O partido reconhece que de fato eu sou um alvo e me deu apoio na minha decisão de não voltar”, detalhou o deputado. O deputado informou que deve se dedicar à carreira acadêmica após o fim de suas férias. Ele é formado em jornalismo e é mestre em letras e linguística pela UFBA (Universidade Federal da Bahia), além de ser professor em duas universidades particulares do Rio de Janeiro.

Em seu perfil no Instagram, Jean Wyllys fez uma declaração a seus seguidores e eleitores: “Preservar a vida ameaçada é também uma estratégia da luta por dias melhores. Fizemos muito pelo bem comum. E faremos muito mais quando chegar o novo tempo, não importa que façamos por outros meios. Obrigado a todas e todos vocês, de todo coração. Axé!”.

Durante assalto, mulher fala ‘línguas estranhas’ e arma de bandido falha no Recife; veja ao vídeo


Uma câmera de segurança registrou o momento em que quatro homens invadem uma casa, no Córrego do Jenipapo, Zona Norte do Recife e anunciam um assalto. A vítima, um dos moradores da residência afirmou que se livrou de ser atingindo após a arma de um dos suspeitos falhar, enquanto outra vítima orava, falando o que os evangélicos chamam de “línguas estranhas”.

Segundo a reportagem da TV Jornal, a dupla chegou na frente da casa pedindo informações sobre bolos que são vendidos por moradores do local. Na conversa captada pela câmera, os suspeitos pedem o contato do comerciante que está atendendo e em seguida eles se despendem. Na sequência, os dois voltam e anunciam o assalto. Outros dois homens se aproximam e entram na residência.

Dentro da casa estavam o comerciante, a mãe dele de 82 anos e a cuidadora da idosa. Enquanto o homem é ameaçado com uma arma, a senhora pediu para que os suspeitos não atirassem nele. As testemunhas relataram que os homens pediram o dinheiro o tempo todo e caso não tivessem, iriam atirar na cabeça da vítima. Neste momento a cuidadora começou a orar, e a arma falhou. Aterrorizados com a cena, os comparsas fugiram.

Em depoimento à polícia, João de Deus coloca a culpa em espíritos e Deus


João Teixeira de Farias, médium conhecido como João de Deus, na Casa Dom Inácio de Loyola.

João de Deus, como ficou conhecido o médium de 76 anos João Teixeira de Farias, prestou depoimento à polícia no dia 16 de dezembro. Em sua declaração, ele atribui a responsabilidade dos abusos sexuais pelos quais foi denunciado a “Deus” e “o espírito”. As informações foram divulgadas pelo jornal O Globo.

De acordo com a reportagem, João afirmou que não tem responsabilidade pelo que faz nos atendimentos espirituais feitos na Casa de Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia. Ele diz que “as orientações são repassadas pelo espírito”. Questionado se faz tratamento com cirurgias incisivas, ele nega e diz que “Deus que faz”.

“No atendimento não é repassada receita, as orientações são repassadas pelo espírito, ou seja, não é de maneira escrita. Esclarece que apenas atende e orienta. Informa ainda que alguns frequentadores já adquirem os produtos, mesmo sem o encaminhamento do espírito, pois são frequentadores do local há muitos anos e acreditam na eficiência do produto”, diziam as notas taquigráficas do depoimento mostram.

Câmeras flagram repórter da Globo agredindo idoso em condomínio; assista ao vídeo


Imagens registradas por câmeras de segurança de um condomínio na Praia do Canto, em Vitória, mostram o repórter Rodrigo Maia da Rede Gazeta, afiliada da TV Globo, agredindo um idoso na última terça-feira (18).

No vídeo é possível ver o jornalista parado na porta do elevador, segurando um celular e impedindo que o idoso, identificado como Nildo Ferreira, de 69 anos, saísse. Em seguida, o idoso empurra Rodrigo Maia, que revida com empurrões, socos e chutes. Testemunhas informaram ao ‘Folha Vitória’, que o repórter quebrou ainda o notebook, o celular e a chave do carro da vítima. Um parente de Nildo informou que o idoso fez uma cirurgia nesta quarta-feira (19) de reparação na orelha e já recebeu alta. Em entrevista ao ‘Gazeta Online’, o idoso diz que as brigas entre os dois começaram por causa do barulho vindo do apartamento do jornalista.

O G1 noticiou que a Rede Gazeta decidiu afastar Rodrigo Maia nesta quinta-feira (20) por conta da episódio de agressão. Em nota, a emissora disse que “repudia qualquer tipo de violência”.

Justiça decreta prisão de João de Deus após mais de 300 denúncias de abusos sexuais


A Justiça de Goiás determinou, nesta sexta-feira (14), a prisão preventiva de João de Deus, suspeito de praticar abusos sexuais durante tratamentos espirituais, em Abadiânia, cidade goiana do Entorno do Distrito Federal. A informação foi confirmada à TV Anhanguera pelo secretário de Segurança Pública de Goiás, Irapuan Costa Júnior.

Um dos advogados que compõem a defesa de João de Deus, Thales Jayme disse que foi informado sobre o mandado de prisão, mas não tinha recebido o documento até as 12h30. Ele declarou também que não conseguiu falar com médium nesta manhã. “Nós recebemos um contato informando que havia um decreto de prisão, para tratarmos uma forma do João se apresentar de uma forma menos traumática e que ele esteja em segurança. A minha opinião é a de que ele se apresente”, disse o advogado.

Por sua vez, o advogado Hélio Braga, que também integra a defesa do médium, ressaltou que o cliente é inocente. “Nós enquanto defesa, continuamos contestando com veemência todas as acusações. Não acreditávamos na decisão nesse sentido, perante a total falta de provas”, declarou. Em nota, o advogado Alberto Toron informou que ainda não conseguiu ter acesso aos depoimentos das mulheres e nem ao pedido de prisão preventiva contra o médium. “É inaceitável a utilização de pretextos e artifícios para se impedir o exercício da defesa”, diz o comunicado.

Em nota, a Polícia Civil informou que “se empenha em dar cumprimento à referida determinação judicial”. Na quarta-feira (12), o Ministério Público Estadual de Goiás (MP-GO) protocolou um pedido de prisão na promotoria de Abadiânia. No entanto, não se sabe se este é o pedido que originou a decisão. As informações são do G1.

Viagem em jatinho sem informar à Justiça Eleitoral tira pasta de Magno Malta


O presidente eleito, Jair Bolsonaro, decidiu cortar da lista de possíveis ministros o senador e candidato derrotado à reeleição Magno Malta (PR-ES) após receber informações de que o aliado fez viagens para aproximar o empresário Eraí Maggi da campanha do PSL e, até mesmo, usar sua proximidade para defender nomes que poderiam compor um eventual governo. Pelos dados recebidos por Bolsonaro, Maggi teria colocado à disposição do senador um jatinho particular para alguns deslocamentos e ainda abriu sua fazenda para encontro com ruralistas.

Em conversas com aliados, Bolsonaro chegou a avaliar também uma entrevista dada pelo cobrador Luiz Alves de Lima, de Vitória, que foi preso e sofreu tortura depois de ser acusado de pedofilia por Malta em 2010. Anos depois, a Justiça absolveu Alves. Na quarta-feira (05), Bolsonaro disse que o perfil do senador “não se enquadrou” no futuro ministério, mas que ele ainda poderia estar “em outra função”. Malta não registrou deslocamentos em jatinhos do empresário nas prestações de conta ao TSE. Ele disse ter gasto na campanha R$ 163 mil em veículos, R$ 50 mil em combustível e R$ 273 mil em carros de som. Ao Estado, o senador informou que não participou “da negociação, contratação e pagamento de aeronave”. Segundo a assessoria, a aeronave foi contratada pelo Podemos de Mato Grosso. (mais…)

Avião de pequeno porte cai sobre casas em São Paulo; ao menos 2 morrem


Um avião de pequeno porte caiu, na tarde desta sexta-feira (30), em São Paulo. O acidente ocorreu por volta das 16h, na Rua Antonio Nascimento Moura, próximo ao Campo de Marte, na Zona Norte de São Paulo. De acordo com uma testemunha, o avião estava decolando quando acabou caindo ao lado de um posto de gasolina. Duas pessoas morreram no acidente.

Segundo informações preliminares, trata-se de um Cessna modelo C210, com destino a Jundiaí (SP). Três residências, quatro carros e um caminhão foram atingidos na queda. Bombeiros enviaram 14 carros ao local. O fogo já foi controlado e há pelo menos 12 feridos — alguns com queimaduras de primeiro e segundo graus. A queda ocorreu em uma área residencial nas proximidades do aeroporto, um terminal destinado à operação de voos executivos. Casas e veículos que estavam na rua onde a aeronave caiu também foram atingidos. O fogo chegou a se alastrar pelo asfalto.

STF desarquiva inquérito contra Aécio Neves sobre corrupção em Furnas


A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta terça-feira (20) desarquivar o inquérito que trata das investigações sobre o senador Aécio Neves (PSDB-MG), suspeito de participar de irregularidades em Furnas, subsidiária da Eletrobras em Minas Gerais. A decisão foi tomada por 3 votos a 2. Com a decisão, a Procuradoria-Geral da República (PGR) terá 60 dias para concluir diligências pendentes e também deverá se manifestar sobre o arquivamento da investigação.

Os ministros julgaram um recurso da PGR contra decisão individual do ministro do STF Gilmar Mendes que determinou o arquivamento da investigação. A decisão divergiu do entendimento da procuradoria, que pediu a remessa do inquérito para a Justiça Federal do Rio de Janeiro. O julgamento começou em setembro, quando houve um empate em 2 a 2 na votação, que foi suspensa por um pedido de vista do ministro Ricardo Lewandowski. Ao retomar o caso nesta terça, o ministro votou para que os autos sejam encaminhados à PGR. Na sessão anterior, os ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli manifestaram-se pelo arquivamento e Edson Fachin e Celso de Mello, pelo envio do processo para a Primeira Instância da Justiça, como defendeu a PGR. Ao determinar o arquivamento, Gilmar Mendes levou em conta um relatório da Polícia Federal (PF) que concluiu pela falta de provas da participação de Aécio Neves em um suposto esquema de corrupção na estatal do setor elétrico. (mais…)