Jequié: Homem é preso após matar gatos a pedradas; veja o vídeo


Um homem que aparece nas imagens de um vídeo que circula nas redes sociais matando gatos à pedradas, em plena via pública, em Jequié, foi preso na tarde dessa sexta-feira (15) por agentes da Polícia Civil. O vídeo que comprova o crime começou a ser veiculado nesta quinta-feira (14).

O autor do crime de maus tratos foi identificado como Adriano Souza Moraes. Ele foi detido e conduzido à Delegacia Territorial de Jequié, onde foi interrogado. O caso foi encaminhado ao Juizado Especial Criminal.

(Bahia em Dia)

Jitaúna: TCM multa prefeito Patrick Lopes e encaminha representação ao MP


O Tribunal de Contas dos Municípios, na sessão desta quarta-feira (13/06), julgou procedente a denúncia formulada pela vereadora do município de Jitaúna, Rúbia Cristina Rocha, contra o prefeito Patrick Gilberto Lopes Rodrigues, em razão da irrazoabilidade dos gastos com a cavalgada ocorrida no município no exercício de 2017. O relator, conselheiro Fernando Vita, determinou a formulação de representação ao Ministério Público Estadual para que se apure a prática de improbidade administrativa e aplicou multa no valor de R$15 mil.

A relatoria considerou que as despesas, no montante de R$42 mil, violaram os princípios da economicidade e razoabilidade, principalmente pela grave situação de seca enfrentada pelo município, que impôs a decretação de estado de emergência e que perdurou durante todo o ano de 2017.

A relatoria concluiu que as matérias publicadas em jornais, informativos e na página oficial da prefeitura não foram movidas somente com propósitos informativos ou educacionais, mas também para enaltecer a figura do gestor e sua cavalgada, o que caracteriza a autopromoção. O gestor não apresentou documentos que dirimissem as irregularidades. Cabe recurso da decisão.

Ibirataia: Prefeitura gasta quase R$ 80 mil em diárias no mês de Abril


Um levantamento realizado pelo Portal Estado da Bahia, mostrou que a Prefeitura Municipal de Ibirataia, região sul da Bahia, vem ganhando destaque negativo em administração pública. O decreto de emergência financeira, emitido pela Prefeita Ana Cléia (PSD), parece não estar atrapalhando os gastos com o dinheiro público durante a gestão. Em um ano e meio de administração, a Prefeitura de Ibirataia, apresenta gastos com diárias no valor de R$ 254.552,38. Valor considerado alto, visto as reclamações feitas pela prefeita em relação às poucas receitas que a prefeitura arrecada.

Os números estão expostos no Portal da Transparência do Município e revelam um absurdo em termos de gastos com diárias. O mês de abril/2018 bateu recorde. Foram registradas despesas de mais de R$ 19.963,49 somente com diárias para a chefe do executivo. Dentre os funcionários do segundo escalão, um dado chamou bastante atenção nos referidos gastos. Dois dos motoristas da Secretária de Saúde são os campeões em recebimento de diárias. Um faturou R$ 5.202,53 e o outro R$ 4.003,08. Ao todo, o mês de abril/2018 totalizou gastos em diárias de mais de R$ 76 mil reais. Valor que, se convertidos em ações para a comunidade, daria para custear mais de 1600 cestas básicas para famílias que vivem em vulnerabilidade social no município.

Apesar das altas diárias pagas, a Prefeitura de Ibirataia ainda não realizou nenhuma obra de grande porte este ano. A principal construção de uma praça que levará o nome do ex-prefeito e esposo de Ana, Júlio Leal, falecido em acidente automobilístico em outubro do ano passado, encontra-se parada. As informações são do portal de notícias Estado da Bahia.

LINKS ÚTEIS:

Diário Oficial: http://www.ibirataia.ba.gov.br/

Portal da Transparência: http://45.5.228.98:5020/prefeitura/ (mais…)

Lúcio ‘ameaça’ ministros com ‘vídeo’ de Geddel pedindo voto


No afã de conseguir recursos para municípios onde tem base, na tentativa de se reeleger, o deputado baiano Lúcio Vieira Lima (MDB) tem lançado mão de uma estratégia para lá de inusitada. De acordo com a Veja, ele “ameaça” ministros que estão em busca da reeleição. Diz, de acordo com a publicação, que se o recursos não saírem, Geddel Vieira Lima irá gravar um vídeo diretamente da prisão para pedir votos para o político.

Geddel foi preso após a Polícia Federal encontrar R$ 51 milhões em malas em um apartamento em Salvador. Uma das “vítimas” de Lúcio foi o ex-ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, que disputará o governo do Pará.

(Metro1)

Prefeito é preso e confessa estupro de menina de 8 anos em SP


O prefeito interino de Bariri (SP), Paulo Henrique Barros de Araújo (PSDB), de 34 anos, foi preso na manhã deste sábado por raptar e abusar de uma menina de 8 anos, no Vale do Igapó, em Bauru (SP). De acordo com a polícia, ele confessou ter estuprado a menor.

Após o registro da ocorrência por flagrante de estupro de vulnerável, Araújo foi levado à cadeia de Barra Bonita, às 19h50min. Ele deverá passar por audiência de custódia neste domingo, em Bauru.Segundo apurou a Polícia Militar, que efetuou a prisão, o interino pegou a criança num conjunto residencial e se dirigiu até um matagal, onde o carro acabou caindo em um buraco. A menina conseguiu se desvencilhar do prefeito, correu e pediu ajuda a um casal. Araújo foi encontrado caminhando entre árvores. Ele tentou fugir e entrou em luta corporal com os policiais. De acordo com o registro policial, o político aparentava estar sob efeito de drogas. Uma perícia vai verificar se houve relação sexual.

O preso é presidente da Câmara de Vereadores de Bariri, cidade com cerca de 35 mil habitantes, e está no cargo de prefeito desde o início do ano passado. Em nota, a Câmara de Bariri anunciou que, na segunda-feira, de posse do registro policial, vai entrar com pedido de quebra de decoro e afastamento do prefeito. Também será discutido quem assume o cargo de prefeito até a nova eleição marcada para junho.

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) marcou novas eleições para 3 de junho, pois, após o pleito de 2016, os candidatos a prefeito e vice da chapa mais votada – Francisco Leoni Neto e Benedito Mazotti, ambos do PSDB – tiveram o registro indeferido com base na Lei da Ficha Limpa.

Joesley afirma que pagava mesada de R$ 50 mil para Aécio por meio de rádio


O empresário Joesley Batista afirmou, em depoimento à Procuradoria-Geral da República (PGR), que pagou uma mesada de R$ 50 mil ao senador Aécio Neves (PSDB-MG) entre 2015 e 2017. O dinheiro chegava ao tucano por meio de pagamentos feitos pela JBS à rádio Arco Íris, afiliada da Joven Pan em Belo Horizonte, da qual Aécio foi sócio.

Ainda segundo o relato de Joesley, o senador pediu a mesada a ele durante um encontro no Rio. Nas palavras do delator, Aécio disse que usaria o dinheiro para “custeio mensal de suas despesas”. As informações são da edição desta sexta-feira do jornal “Folha de S.Paulo” e foram confirmadas pelo GLOBO.

De acordo com a reportagem, além de fazer o relato do pagamento das mesadas, Joesley entregou para os investigadores 16 notas fiscais de R$ 54 mil emitidas pela rádio no período em nome da JBS. Os recibos têm como justificativa a prestação de “serviço de publicidade”, em forma de “patrocínio do Jornal da Manhã”, um dos programas da rádio.

Joesley não esclareceu, no depoimento, a diferença de R$ 4 mil no valor das notas e na mesada acertada com Aécio. Ele relatou não saber se as propagandas de fato foram veiculadas, mas reforçou que sua intenção era repassar a mesada para ter bom relacionamento com tucano, candidato à Presidência da República em 2014.

O último pagamento da JBS a Aécio, segundo a “Folha”, ocorreu em junho de 2017, um mês após vir à tona a delação dos executivos do grupo. Em um dos pontos da colaboração, Joesley gravou o senador tucano lhe pedindo R$ 2 milhões. Parte do dinheiro foi entregue a um primo de Aécio, Frederico Pacheco. Aécio, Pacheco e a irmã do senador, Andrea, tornaram-se réus neste processo no Supremo Tribunal Federal (STF) na última terça-feira.

À “Folha”, o advogado Alberto Toron, que defende Aécio, negou o pagamento de uma mesada e afirmou que Joesley se aproveita de uma “relação comercial lícita” para “forjar mais uma falsa acusação” contra o senador mineiro.

Itabuna: Defensor Público acusa PMs de atirarem contra seu carro


Nesta terça-feira (09) o defensor público Hamilton Gomes, esteve na rádio Difusora de Itabuna, na oportunidade acusou uma equipe da Táticas Ostensivas em Rodovias (TOR), de perseguir e atirar contra seu veiculo.

Hamilton Gomes declarou que foi durante a noite do último domingo e o local era escuro e não identificou que era uma viatura de Polícia, e que só parou o seu carro quando estava em um local iluminado. “fui levado para o posto da Polícia Rodoviária Federal para fazer o teste do bafômetro, não fiz por entender que a perseguição foi na cidade, e não na BR 101, fui levado para o complexo e a delegada constatou que não estava embriagado, e chegando lá meus colegas de defensoria constaram que no meu veiculo tinhas marcas de tiros, por pouco não fui baleado”, declarou o defensor.

(Políticos do Sul da Bahia)

Com imóvel próprio, Bolsonaro ganha auxílio-moradia da Câmara


O presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e um de seus filhos, Eduardo Bolsonaro (PSC-SP), recebem dos cofres públicos R$ 6.167 por mês de auxílio-moradia mesmo tendo um imóvel em Brasília. Ambos são deputados federais.

O apartamento de dois quartos (69 m²), em nome de Jair, foi comprado no fim dos anos 90, quando ele já recebia o benefício público, mas ficou pronto no início de 2000. O político recebe da Câmara o auxílio-moradia desde outubro de 1995, ininterruptamente. Eduardo, desde fevereiro de 2015, quando tomou posse em seu primeiro mandato como deputado. Ao todo, pai e filho embolsaram até dezembro passado R$ 730 mil, já descontado Imposto de Renda. Além do apartamento na capital, os políticos da família Bolsonaro têm mais 12 imóveis no Rio, a maior parte adquirida nos últimos dez anos, como mostrou a Folha neste domingo (7).

O auxílio-moradia é pago a deputados que não ocupam apartamentos funcionais no DF. Como há mais deputados do que vagas em imóveis destinados a eles, a Câmara desembolsa para cada um desses, por mês, R$ 4.253.

Ibirataia: Animais mortos são jogados constantemente às margens da BA-120


Jogar animais mortos em vias públicas é crime. O infrator pode responder por crime ambiental, contra a saúde pública. Mesmo assim, quem trafega pela rodovia BA-120, trecho que liga o distrito de Algodão à sede do município de Ibirataia é bem comum se deparar com animais mortos que constantemente são jogados às margens da via, em muitos casos os urubus tomam de conta da pista, além do mau cheiro que exala no local os animais atrapalham a visibilidade de motoristas e motoqueiros.

O blog Bahia em Dia apurou que os animais são jogados pelo menos em dois trechos da rodovia, um próximo a localidade conhecida como ”Os Bambus” e a outra ”Ladeira da Maria Viúva”. Também apuramos que geralmente os animais são mortos em fazendas vizinhas à pista e, por hábito, os proprietários tiram os restos mortais de suas terras e os jogam onde não há dono, ou seja, nos acostamentos.

Os proprietários devem ter consciência de que animais mortos não podem ser abandonados em qualquer lugar. Esses animais são um perigo para quem está transitando na estrada, principalmente no período da noite, quando a visibilidade é menor e pode ocasionar acidentes.

Outra preocupação é o risco de contaminação biótica. A decomposição de animais envolve a participação de bactérias e outros micróbios, além de insetos e outros seres que podem ser vetores de doenças. Com as chuvas os restos mortais são levados pelas as enxurradas para dentro de represas, rios e para as pastagens, podendo contaminar animais e até mesmo pessoas que praticam pesca próximo ao local onde o animal foi desovado.

(Bahia em Dia)

Executivos da Odebrecht relatam ‘demanda’ de R$ 1 milhão para filme sobre Lula


A Operação Lava Jato investiga a captação de recursos para o financiamento do longa “Lula, o Filho do Brasil”. O empreiteiro Marcelo Odebrecht e o ex-ministro Antonio Palocci já prestaram depoimento. Em e-mails capturados pela Polícia Federal, executivos relatam a “demanda” de R$ 1 milhão para “apoiar o filme de interesse do nosso cliente”, que seria o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O filme que narra a história do petista estreou em 1º de janeiro de 2010 e custou cerca de R$ 12 milhões. A Odebrecht destinou R$ 750 mil para o longa. A defesa de Lula não comentou a investigação da força-tarefa em Curitiba. O produtor do longa, Luiz Carlos Barreto, negou que tenha ocorrido tráfico de influência. A Odebrecht informou que está “colaborando com a Justiça”.

Em depoimento no dia 11 de dezembro, Palocci foi questionado pelo delegado Filipe Hille Pace sobre sua suposta relação com a produção do filme. O ex-ministro afirmou que “deseja colaborar na elucidação de tais fatos”, mas que naquele momento ficaria em silêncio. No mesmo dia, Marcelo Odebrecht – delator da Lava Jato, já condenado e em prisão domiciliar em São Paulo – também falou ao delegado. Durante o depoimento, a PF apresentou ao empreiteiro e-mails extraídos de seu computador e ligados ao financiamento do filme. Em um dos e-mails, Marcelo enviou cinco tópicos relacionados ao filme a funcionários do grupo.

A força-tarefa apura se o financiamento do filme tem relação com o esquema de desvios e corrupção na Petrobras. À PF, Marcelo disse acreditar “que a doação para o filme fazia parte da agenda mais geral da Odebrecht com PT e Lula, ou, por exemplo, de uma “conta-corrente geral de relacionamento que Emílio (Odebrecht, seu pai), poderia manter com Lula”.