“Eu não faço nada de errado, eu só trafico droga”, diz Zezé Perrella a Aécio; Ouça o áudio


No dia 13 de abril, a Polícia Federal interceptou uma conversa telefônica entre o senador Aécio Neves, do PSDB, e o colega Zezé Perrella, do PMDB. No diálogo, Aécio cobra fidelidade de Perrella e lhe dá uma dura pelo fato de o aliado ter dado uma entrevista à rádio Itatiaia de Minas Gerais se gabando de não estar na lista de Janot e no “mar de lama” do Brasil. “Acho que não preciso provar o quanto sou seu amigo na vida, né, cara. Então vou te falar como amigo, com a liberdade de amigo. Poucas vezes vi uma declaração tão escrota, Zezé, como essa que você deu na rádio Itatiaia”, diz Aécio.

Uma versão editada foi divulgada no DCM. Agora o jornal Hoje em Dia colocou no ar a gravação na íntegra. Você pode conferir abaixo. Perrella cita o caso do Helicoca. “Qual a maneira que eu encontrei de rebater essas coisas que eles falam de mim do helicóptero até hoje?”, questiona. E completa, adiante: “Eu não faço nada de errado, eu só trafico droga”. Aécio ri.

Ouça o áudio:

Gilmar Mendes também é alvo da Lava Jato


A Operação Lava Jato realizou uma varredura nos endereços do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) e o ministro do STF Gilmar Mendes também era um dos alvos da investigação. De acordo com a coluna Radar Online, da revista Veja, a operação buscava informações sobre Mendes, pois tinam ordens explícitas com o nome do ministro.

A publicação destaca que Gilmar Mendes aparece em conversa com o senador tucano, no grampo realizado nos números de telefone de Aécio Neves. Nos diálogos, os dois falam sobre o projeto de lei sobre o abuso de autoridade. A transcrição da gravação indica que Aécio pede ajuda ao ministro para conquistar um voto na comissão do Senado que analisava o projeto.

Lula e Dilma tinham US$ 150 milhões em conta de propina da JBS, diz Joesley


O dono da JBS, Joesley Batista, disse que transferiu para contas no exterior US$ 70 milhões destinados ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e mais US$ 80 milhões em conta, também no exterior, em benefício da ex-presidente Dilma Roussef. Os montantes, afirmou, foram enviados por meio do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega e usados gastos “tudo em campanha”. Joesley falou que tanto Lula quanto Dilma tinham conhecimento dos repasses. A declaração foi dada por Joesley em 3 de maio de 2017 na sede da Procuradoria Geral da República, em Brasília. “Teve duas fases, a do presidente Lula e teve a fase da presidente Dilma”, disse. “Na fase do presidente Lula chegou a US$ 80 milhões de dólares, na fase da presidente Dilma chegou a uns US$ 70 [milhões]. Ou ao contrário: US$ 70 [milhões] na do Lula e US$ 80 [milhões] na da Dilma.” Joesley disse que inicialmente não tinha se dado conta de que os valores eram destinados às campanhas eleitorais de Lula e Dilma. Ele afirma ter percebido quando, ainda segundo ele, Guido pediu a abertura de uma segunda conta, em nome do próprio empresário. “Foi aí a primeira vez que eu desconfiei que o dinheiro não era dele [Guido]”. “Quando terminou o governo Lula, ele falou: agora tem que abrir outra conta. Essa conta é da conta do Lula. Essa aqui.. tem que abrir uma para Dilma”, disse. Fiz uma pergunta pra eles sabem disso? Lula sabe disso, Dilma sabe ? Não, sabe sim, eu falo tudo pra eles”.

Donos da JBS dizem em delação que pagaram R$ 60 milhões a Aécio em 2014


O senador afastado Aécio Neves (PSDB) foi acusado pelos executivos da JBS de ter recebido cerca de R$ 60 milhões em propinas pagas por eles. Os valores teriam sido pagos em 2014, em troca do uso do mandato do tucano para beneficiar os negócios do grupo. Ainda na delação feita pelos executivos, eles citam ações de Aécio na liberação de créditos de ICMS para uma das empresas do grupo na área de couro. A negociação foi de R$ 12,6 milhões. Outra atuação teria sido relacionada também a créditos na compra da Seara, por uma subsidiária da JBS. A relação do senador em favor da empresa vai além, segundo dados da delação. A empresa teria comprado partidos para compor a chapa de Aécio que concorreu à Presidência em 2014 e que acabou derrotada pela presidente Dilma Rousseff (PT).

Os executivos ainda admitiram que agiram em favor de Aécio com a emissão de notas fiscais frias, e na venda de imóvel superfaturado para pessoas indicadas pelo tucano, mas que, na verdade, o valor seria direcionado ao senador afastado.
O senador Aécio Neves foi alvo nessa quarta-feira de operação Patmos. Imóveis de sua propriedade foram alvo de mandados de busca e apreensão. A irmã do tucano, a jornalista Andreia Neves foi presa também alvo da operação e envolvimento nas denúncias. O Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, pediu a prisão de Aécio Neves, mas o pedido foi negado pelo relator da ação no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Edson Fachin.

‘Tem que ser um que a gente mate antes de fazer delação’, diz Aécio


Em gravações feitas por Joesley e Wesley Batista, donos do frigorífico JBS Friboi, revelam que Michel Temer (PMDB) deu aval para o pagamento de propina para Eduardo Cunha – uma forma de comprar o silêncio do ex-presidente da Câmara dos Deputados. Os empresários também gravaram o senador Aécio Neves – o parlamentar tucano pediu R$ 2 milhões em propina.

No entanto, o aspecto mais assustador das gravações é uma fala proferida pelo tucano. Segundo matéria do jornal O Globo, Aécio faz uma exigência sobre a pessoa recebedora da propina: “Tem que ser um que a gente mate antes de fazer delação”. O dinheiro seria usado para pagar a defesa do senador mineiro justamente nos processos da Lava Jato nos quais ele é implicado.

Aécio diz: “Vai ser o Fred, com um cara seu [Joesley]. Vamos combinar o Fred com um cara seu porque ele sai de lá e vai no cara. E você vai me dar uma ajuda do caralho”. O Fred a quem Aécio se refere é Frederico Pacheco de Medeiros, primo de Neves e ex-diretor da Cemig – Medeiros foi um dos coordenadores da campanha do tucano a presidente em 2014. (Brasil 247)

Geddel era ligação entre dono da JBS e Michel Temer


O ex-ministro Geddel Vieira Lima foi apontado, na gravação feita pelo dono da empresa JBS, Joesley Batista, como a “ponte” entre o presidente Michel Temer e a empresa. No áudio, Joesley destaca que “Geddel sempre estava ali”. “Mas Geddel também, com esse negócio, eu perdi o contato porque ele virou investigado, agora eu não posso também. Eu não posso encontrar com ele”, explica o empresário ao presidente durante o diálogo. Temer concorda com o dono da JBS, afirmando para ele “ir com cuidado” porque isso poderia figurar “obstrução da Justiça”. O empresário, então, questiona qual seria a melhor forma de falar com o presidente, uma vez que por intermédio de Geddel estaria mais difícil. O homem apontado por Temer para fazer essa transição seria Rodrigo da Rocha Loures, presidente da Fiep. “Se for alguma coisa que eu preciso tratar, falo com Rodrigo. Se for algum assunto desse tipo aí.. marcamos aqui.. Funciona super bem. [Nos encontramos] onze horas, dez e meia.. vem aqui, a gente conversa uns dez minutinhos, meia horinha”, disse Joesley. (Bahia Notícias)

Irmã de Aécio Neves é presa em Belo Horizonte


A Polícia Federal prendeu a irmã do senador Aécio Neves (PSDB-MG), Andrea Neves, em Belo Horizonte na manhã desta quinta-feira (18). Ele é presidente nacional do PSDB. Além de Andrea, foram presos outros investigados na manhã desta quinta: o primo de Aécio Frederico Pacheco de Medeiros, que segundo as investigações recebeu o dinheiro que Joesley direcionou ao senador, uma irmã de Funaro, de nome Roberta, além de um assessor do senador Zezé Perrella (PMDB-MG). Há também um mandado de prisão preventiva contra o procurador da República Ângelo Goulart Vilela, do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Residências de Aécio foram alvos de mandados de busca e apreensão. Também são alvos da operação o senador Perrella, o deputado Rocha Loures (PMDB-PR) e Altair Alves, conhecido por ser braço direito do deputado Eduardo Cunha. Buscas também são feitas na casa do coronel João Baptista Lima Filho, ligado a Temer. Os mandados foram autorizados pelo STF. Entre os locais de busca, segundo investigadores, estão a residência de Aécio no Rio e em Brasília, de Andrea, no Rio, e o Congresso. Há mandados judiciais também relativos ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), atualmente preso em Curitiba, e Lúcio Bolonha Funaro, apontado como seu operador. Todos já foram cumpridos. A operação desta foi batizada de Patmos, em referência à ilha grega onde. segundo a Bíblia, são João recebeu as revelações sobre o Apocalipse.

STF afasta Aécio Neves do cargo e determina prisão de irmã


O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) sejam imediatamente afastados de seus mandatos parlamentares. A decisão de Fachin se assemelha à tomada pelo ministro Teori Zavascki em 2016, quando foi determinado o afastamento do então deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Os mandados são cumpridos no gabinete do presidente do PSDB e na na casa do parlamentar em Brasília. A irmã de Aécio, Andréa Neves, foi presa na manhã desta quinta em Belo Horizonte, informou a VEJA o advogado criminalista Alberto Toron. A prisão preventiva de Andrea Neves foi autorizada pelo ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). A operação desta quinta-feira foi batizada de Patmos, em referência à ilha grega onde o apóstolo João teria escrito o Livro do Apocalipse. Segundo o empresário Joesley Batista, que fechou acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República, ao lado de seu irmão Wesley Batista e outros cinco executivos da JBS, Aécio pediu 2 milhões de reais para supostamente custear a defesa dele na Operação Lava Jato. (Veja)

Jitaúna: Ex-prefeito Edson terá de ressarcir os cofres públicos em mais de 250 mil reais


As Contas da Prefeitura Municipal de Jitaúna, concernentes ao exercício financeiro de 2015, da responsabilidade do Sr. Edson Silva Souza, ingressaram eletronicamente no Tribunal de Contas, através do e-TCM, denuncias de irregularidades praticadas, ao longo do exercício financeiro de 2015, todas elas devidamente constatadas e registradas no processo de prestação de contas nº 02158e16, sem que, contudo, tivessem sido satisfatoriamente justificadas. Considerando que ditas irregularidades atentam, gravemente, contra a norma legal e contrariam os mais elementares princípios de natureza contábil, financeira, orçamentária e patrimonial; multa no valor de R$ 20.000,00 (vinte mil reais), e ainda, em razão de ter deixado de ordenar ou promover, na forma e nos prazos da lei, a execução de medida para a redução do montante da despesa total com pessoal que excedeu ao limite máximo estabelecido no art. 20, inciso III, aplicar ao mesmo a multa, no valor de R$ 54.000,00 (cinquenta e quatro mil reais), correspondente a 30% dos seus vencimentos anuais, providencie o ressarcimento aos cofres públicos municipais da importância de R$ 214.264,86 (duzentos e quatorze mil, duzentos e sessenta e quatro reais e oitenta e seis centavos), sendo R$ 210.250,86 referente a Comprovantes, Notas Fiscais e/ou Recibos apresentados em cópia, R$ 4.014,00, concernentes a despesas com publicidade desacompanhada de elementos que viabilizem a constatação da efetiva divulgação, conforme disposto no item 5. “DO ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA”. A multa aplicada e o débito imputado deverão ser recolhidos ao erário municipal, na forma estabelecida nas Resoluções TCM nº 1124/05 e 1125/05, respectivamente, sob pena de se adotar as medidas preconizadas no art. 74 da multicitada Lei Complementar. A multa se não for paga no prazo devido, será acrescida de juros legais. (Sudoeste Urgente)

‘Nunca houve intenção de comprar tríplex’, afirma Lula em depoimento a Moro; Assista os vídeos


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quarta-feira (10), em depoimento ao juiz Sérgio Moro, que “nunca houve intenção” de adquirir um tríplex no Guarujá. Ele é acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de ter recebido o imóvel como parte de propina da OAS, que tinha contratos com a Petrobras. “Não havia no início e não havia no fim [intenção de adquirir o tríplex]”, afirmou Lula ao juiz, ao ser questionado se havia intenção de trocar a cota de um simples apartamento da Bancoop, adquirida pela ex-primeira dama Marisa Letícia, pelo tríplex. Os vídeos do depoimento já foram liberados pela Justiça Federal. O depoimento foi encerrado na noite desta quarta, após mais de cinco horas. Confira abaixo os vídeos do interrogatório. (BN)