Ipiaú: Acusado de ‘comprar’ colegas, vereador afirma ter assinado papel em branco

Uma denúncia de compra de votos para eleição da presidência da Câmara Municipal de Ipiaú envolve o vereador Alessandro Moreira de Jesus (PDT), conhecido popularmente como “San de Paulista”, que diz ser vítima de calúnia de um “funcionário fantasma” da Casa.

De acordo com o portal de notícias bahia.ba, nesta quarta-feira (22), o vereador, que acabou eleito em uma sessão conturbada no dia 9 de agosto, afirmou que o documento apresentado contra ele, que comprovaria o crime, não é verdadeiro e pode ter sido “forjado” de duas formas: ou a assinatura é falsa, ou o papel “utilizado” foi assinado em branco por ele, “há dois anos ao lado do presidente [da Câmara] em uma situação […] que não tem nada a ver com eleição”.O caso foi registrado na delegacia local pelo vereador no dia 10 de agosto. O ex-vereador Herbert Emanoel Campos, que acusou o político de receber R$ 40 mil para “comprar” os votos de sete colegas foi intimado, prestou depoimento e afirmou à polícia que foi movido pela “emoção” quando fez a revelação durante a plenária. Ao se apresentar ao delegado Rodrigo Fernando de Souza, que apura o caso, Herbert entregou a cópia do suposto documento em que San de Paulista admitiria receber o valor, estabelece a destinação da quantia e o compromisso dos integrantes do núcleo político de oposição de “destruir as referidas declarações (sic) e que nenhuma delas sejam usadas para prejudicar qualquer membro do grupo”.

O edil também argumentou que, na “declaração”, seu sobrenome está errado (“da Silva” ao invés de “de Jesus”). Ele também cobra que o denunciante apresente a versão original. Herbert é pai de Herbert Emanoel Campos Júnior, funcionário da Câmara, mas, de acordo com San de Paulista, atua no lugar do filho como servidor “fantasma”. A reportagem não conseguiu falar com o citado.

Os demais edis acusados de participação no esquema já foram ouvidos pela polícia e o vereador San de Paulista realizou exame grafotécnico na tentativa de comprovar não ser o autor da assinatura do documento.

(bahia.ba)