Zelador desliga freezer após ouvir alarme e universidade dos EUA perde 20 anos de pesquisas

Um zelador universitário que desligou um freezer, após ouvir o que chamou de “alarmes irritantes”, arruinou mais de 20 anos de pesquisa científica, de acordo com uma ação movida contra seu empregador pelo Rensselaer Polytechnic Institute, no interior do estado norte-americano de Nova York.

O zelador, que não está sendo processado, era contratado da empresa de limpeza Daigle Cleaning Systems Inc., e trabalhou por vários meses em 2020 na universidade particular de pesquisa em Troy, Nova York. A universidade pede mais de US$ 1 milhão (cerca de R$ 4,7 milhões) em danos e honorários advocatícios da Daigle Cleaning Systems como resultado do incidente.

O freezer do laboratório continha mais de 20 anos de pesquisa, incluindo culturas e amostras de células, nas quais uma “pequena variação de temperatura de três graus causaria danos catastróficos”, de acordo com a ação movida na Suprema Corte do condado de Rensselaer.

A universidade não acredita que o zelador seja culpado, mas culpa a Daigle Cleaning Systems por não treiná-lo e supervisioná-lo adequadamente, segundo o processo. “O réu, por meio de sua supervisão e controle negligente, descuidado e/ou imprudente do [zelador], causou danos a certas culturas de células, amostras e/ou pesquisas no laboratório”, afirma a universidade.

As células e espécimes no freezer precisavam ser mantidas a -80°C, e uma variação de 3°C causaria danos. Então, os alarmes soariam se a temperatura aumentasse para -78°C ou diminuísse para -82°C graus. Segundo o professor e diretor do Centro Baruch ’60 para Pesquisa Bioquímica de Energia Solar da universidade, KV Lakshmi, que supervisionou a pesquisa, o alerta do freezer disparou em 14 de setembro de 2020, depois que a temperatura subiu para -78 graus.

Enquanto o professor esperava que o fabricante do freezer viesse fazer o conserto, sua equipe adicionou uma caixa de trava de segurança ao redor da saída e do soquete do freezer, e um aviso foi colocado no local: “Este congelador está apitando porque está em reparo. Por favor, não mover nem desconectá-lo. Nenhuma limpeza é necessária nesta área. Você pode pressionar o botão silencioso de alarme/teste por 5-10 segundos se quiser silenciar o som”, dizia o comunicado.

O zelador, no entanto, após ouvir o que chamou de “alarmes irritantes”, desligou os disjuntores que forneciam eletricidade ao equipamento, desligando-os por engano e subindo a temperatura da máquina para -32 graus.

Siga o Bahia em Dia nas redes sociais 

Instagram: https://www.instagram.com/bahia_em_dia/